segunda-feira, 18 de agosto de 2008

" Eu, como todo bom roqueiro, estou sempre perdendo palhetas. Não importa quantas a gente compra, enfia em todo e qualquer bolso de calça - elas nunca vão estar lá quando a gente precisar! Já aocnteceu, inclusive, de eu subir no palco sem palheta pra tocar, tendo que passar pela situação improvável de pedir para que alguma alma caridosa da platéia me empreste.
Eu, como todo bom ser humano, estou sempre perdendo oportunidades. Não importam as inúmeras vezes em que a gente dá com a cara na parede, tem momentos que parece que todos nós estamos vicados na tragédia, como com aquela pilha de problemas indesejáveis, clamando por uma solução.
Eu, como todo bom romãntico, estou sempre perdendo amores. Não importa tudo o que foi aprendido em experiências passadas. É que eu realmente não consigo me contentar com aquele pensameto de que " o amor é assim mesmo, vem com o tempo e a gente se acostuma" . Falem por vocês, pois eu não concordo nada com isso e sigo à procura. Mas quando a gente procura por uma palheta, ela parece sumir do nosso bolso, bem como as oportunidades que batem à nossa porta enquanto dormimos com a tevê em volume ensurdecedor. Com o amor não é diferente. No entanto, descobri que "procurar", muito mais do que vestir a roupa da Indiana Jones e sair numa caçada enlouquecida pela pecinha que nos falta, é um estado de espírito. Eu estou aqui, sentado à frente do computador, no conforto do lar. Mas estou procurando ser encontrado. E o que me deu a certeza de um final feliz é essa palheta que eu acabei de encontrar embaixo da almofada do sofá.
Basta querer ser encontrado. "
(Lucas Silveira.)

2 comentários:

Isabella disse...

MESTRE *-*
As palavras que nos fazem pensar em nós mesmas está mantida em confusos textos de grandes sábios.

DA-LHE LUCAS <3

Rafaella. disse...

*-------*